Espionagem Blog

Bullying escolar

Acoso Escolar

o assédio moral É um fenômeno generalizado que finalmente mostrou sua face. O que durante anos foi considerado coisa de criança, hoje sabemos que é um problema real para a sociedade.

Os dados sobre situações de bullying no ambiente escolar não pararam de crescer nos últimos anos. Según la ONG Bullying Sem Fronteiras, A Espanha é um dos países com mais assédio moral escolar. Entre 2020 e 2021, 11.229 situações graves de bullying no campo educacional foram registradas em nosso país e cyberbullying.

O que mudou no bullying?

Se você consultar pessoas ao seu redor que são de gerações anteriores à sua, com certeza elas podem te contar sobre casos desse tipo de assédio. E, possivelmente, você também experimentou episódios na escola ou no ensino médio, mesmo que não tenha sido a vítima.

O que hoje conhecemos como assédio moral escola sempre existiu, mas tanto as formas de realizá-lo quanto sua intensidade mudaram.

Algumas décadas atrás, episódios desse tipo consistiam em insultos e provocando a vítima. Agora, os comportamentos são mais graves. A esses insultos e ridicularizações devemos acrescentar a agressões físicas que, nos casos mais extremos, também podem se transformar em agressões sexuais.

Na atualidade, a criança ou jovem não está livre do bullying quando vai para casa. As novas tecnologias trazem assédio moral para um novo nível e dar-lhe ainda mais publicidade. As vítimas são assediadas por meio de suas redes sociais ou de seu telefone. Na verdade, não é estranho que outras pessoas que não sabem quem estão esmagando se juntem ao assédio.

Por que essa mudança ocorreu?

Psicólogos, sociólogos e educadores tentaram encontrar explicações e chegaram à conclusão de que não há uma razão única para explicar o que está acontecendo.

Há menos comunicação entre professores e alunos

Com turmas cheias de crianças ou adolescentes e um horário de trabalho que deixa pouco tempo para outra coisa além de ensinar, os professores estão menos conectados em nível pessoal com seus alunos.

Isso está causando a detecção da situação de assédio é ainda mais complicada . O professor não tem tempo suficiente para avaliar o comportamento de determinados alunos e analisar se algo pode estar acontecendo. E os alunos não confiam no professor, por isso não costumam procurar sua ajuda.

Isso cria um terreno fértil no qual assediadores sabem que podem agir com impunidade, porque a vítima tem muito poucas possibilidades de defesa.

A pandemia

Não o surpreenderá ao saber que os especialistas acreditam que a pandemia também é parcialmente responsável pelo aumento dos casos de bullying.

Quando o confinamento foi decretado, os menores tiveram que seguir o curso conectados e a supervisão dos pais sobre o uso da Internet diminuiu. Isso permitiu que muitas crianças e jovens tivessem acesso a um ambiente no qual anonimato e falta de controle eles tornam mais fácil para eles assediar os outros sem medo das consequências.

Os novos modelos parentais

A forma de criar os filhos hoje não tem nada a ver com a de algumas décadas atrás, e isso tem seus lados bons e ruins.

Infelizmente, mães e pais têm dificuldades de conciliação, e eles não podem passar tanto tempo com seus filhos quanto gostariam. Para compensar essa ausência, muitos caem no erro de não aplicar a disciplina adequada.

As crianças crescem sem referência de autoridade e respeito pelos outros. Acostumado, em muitos casos, a receber tudo o que pedem, desde que não se incomodem. O resultado são crianças e jovens com pouca ou nenhuma resistência à frustração.

Quanto menos uma pessoa resiste à frustração, maior a chance de acabar agindo de forma incorreta com aqueles que não cumprem seus desejos. Às vezes, mostrará um caráter despótico e, em casos graves, pode se tornar violento.

O efeito manada em assédio moral escolar

Outro fator que tem contribuído para o aumento do bullying nas escolas e faculdades é o fato do agressor ter o apoio de seus pares.

No bullying, como se entendia há alguns anos, um pequeno grupo de meninos assediava outro. Agora, grande parte da classe participa das provocações, e isso é o que é conhecido como efeito manada.

Muitas crianças não concordam com o que seu parceiro está passando e podem não participar das provocações e bullying. Mas eles consentem com o que acontece toda vez que não intervêm para ajudar, ou eles não relatam o que está acontecendo com um adulto.

Pior ainda, muitas crianças e adolescentes são conhecidos por não agirem para ajudar as vítimas de bullying por medo de se tornarem o próximo alvo da violência.

Esse fenômeno tem duas consequências. Por um lado, incentiva o principal assediador ou assediadores a continuar agindo, porque eles se sentem apoiados. Por outro lado, gera um sentimento de impunidade que torna o o assédio se intensifica.

Além disso, é especialmente doloroso para a vítima sentir-se abandonada e não ter o apoio de seus pares.

Como prevenir o bullying em sala de aula?

A palavra-chave é prevenção, mas não é suficiente com ele. Para que o ambiente escolar se torne um lugar seguro para as crianças, precisamos toda a comunidade está envolvida. Isso inclui alunos, professores, responsáveis pelo centro educacional e, claro, os pais das crianças ou jovens.

Substituir o efeito manada

Se acabarmos com esse efeito manada que vimos antes, seremos deixando o agressor em desvantagem. Para isso, é necessário explicar aos alunos que eles não devem consentir em comportamentos violentos consigo mesmos ou com os outros.

O que buscamos é deixar o assediador ou assediadores isolados. Deixe-os perceber que o que eles fazem já não os torna o centro das atenções, mas é algo que seus pares repudiam.

Só podemos conseguir isso trabalhando com os alunos por meio de palestras e atividades para ajudá-los a entender o quão sério é não fazer nada quando alguém está sendo assediado. Se eliminarmos o efeito manada, transformamos as crianças nos melhores guardiões contra o assédio moral.

Desenvolver a confiança entre pais e filhos

Os pais são sempre uma referência para os filhos. Quando uma criança tem um problema, ou uma pergunta importante, certamente consultará sua mãe ou pai antes de consultar um terceiro. Mas isso não acontecerá se não houver confiança.

Embora o tempo em que pais e filhos possam estar juntos seja limitado, é preciso aproveitá-lo ao máximo. Falar é a porta que dá acesso à confiança, e você tem que falar sobre tudo, coisas importantes e aquelas que não são.

Se a criança sabe que está em um ambiente seguro e que pode conversar com seus pais sobre qualquer coisa, certamente acabará falando com eles sobre seus problemas na escola ou se viu colegas abusarem de outra pessoa.

coloque um exemplo

O adulto deve ser mais do que uma figura de autoridade para crianças e jovens, ele deve seja um lider. Torne-se um modelo.

Assim como não podemos exigir que as crianças leiam se ninguém lê em casa, não podemos pedir que tratem os outros com respeito se não o fizermos. Pais, professores e todos os adultos em torno de menores devem tratar os outros com bondade e respeito.

As crianças vão assimilar inconscientemente esse comportamento e aplicá-lo a outras pessoas, sejam elas adultos ou outras crianças.

Abra o círculo social das crianças

Uma boa forma de combater o bullying é abrir o círculo social das crianças, ensiná-las que há outras pessoas além dos muros da escola ou a comunidade de vizinhos.

Se deixarmos as crianças se expressarem e fazerem coisas que gostam, elas se misturarão com meninos e meninas de outros ambientes. Isso irá ajudá-los ganhar auto-estima, uma construir confiança com outras pessoas. É assim que evitamos que uma criança se torne uma vítima silenciosa de assédio moral, mas também que pode se tornar um stalker.

Em suma, devemos trabalhar:

  • A autoestima das crianças.
  • Confiança entre pais e filhos.
  • Comunicação em todos os níveis.
  • Empatia para com os outros.

Produtos para evitar o bullying

As novas tecnologias agravaram o problema do bullying, mas também podem ser nossos aliados no combate. Você acha que seu filho ou filha está sendo intimidado? UMA gravador escondido Pode ser uma boa opção no seu caso.

Você coloca na mochila ou no casaco dele sem que ele saiba e o aparelho vai cuidar capturar o que acontece ao redor da criança. Possui grande autonomia e você pode baixar os áudios no seu computador. Então você vai verificar se a criança está tendo algum problema.

Contra o bullying, toda precaução é pouca. Felizmente, a conscientização da sociedade e das novas tecnologias podem nos ajudar a erradicar esse flagelo social e proteger nossas crianças e adolescentes.

Se seu filho, filha ou conhecido estiver sofrendo bullying, entre em contato câmeras espiãs e vamos aconselhá-lo para que você possa detectá-lo e resolvê-lo o mais rápido possível